03/09/2012

Mais quem é ou foi Sakura Ikari?

Ao que ainda não me conhecem, prazer, me chamo Laís, tenho 19 anos e para ser sincera ainda não descobri a que vim nesse mundo.

Mas quem é Sakura Ikari?

Se você for procurar em histórias de RPGs por ai, Sakura Ikari Cross Wrice ou Sakura Ikari Strife foram duas personagens que marcaram minha vida na adolescência, mas elas ainda não são a Sakura Ikari.

Primeiro o nome,

Sakura - Flor de cerejeira; Ikari - Fúria

Uma flor em fúria? Nome estranho para dar a alguém. Estranho mas funcional, meu estilo de pensamento transita entre a vida alegre de estar apaixonada e o funeral do meu corpo... Deprimente? Não, só confuso.

Sakura foi/é um avatar que eu uso para publicar meus contos, poemas e frases, (embora a Ilusão cretina tenha tomado posse dessa parte), sua aparição começa em 2008 em um site de fanfic de nome Nyah... Será que alguém conhece?

A primeira coisa que publiquei lá foi "SARA", muita gente deve estar revoltada ja que eu não terminei essa história e nem pretendo termina-la.

Segundo;

A Sakura também foi/é o meu avatar fake... Alguns vão achar isso infantil, imaturo, idiotá, e blá blá blá... Não me importo mais com a opinião alheia, o fake me faz pensar, me ajuda com o meu bloqueio mental e ainda me inspira a fazer descrições.

Ah esse amor..

Lindão não? Ah, me desculpem, eu não disse o que é lindo...Ou deveria conjugar o verbo no passado? Foi lindo... Isso acho que esse é o ponto, foi, não é mais, eu evito ver-lhe, pensar em você, evito suas lembranças, seus presentes, sua presença marcada pelas ruas dessa vasta cidade... E evitar não é o bastante, não é suficiente para esquecer, eu me sinto traída... e traidora. Tenho outro, melhor, mais atencioso, mais dedicado, mais inclinado a fazer todas e mais algumas das minhas mais loucas e descabidas vontades... Achei alguém que me ama como eu amei você e que droga, não consigo ama-lo da mesma forma, as vezes a desejo, outras vezes à ternura, mas não á paixão, não á um sentimento que me faça fazer tudo por ele como eu fazia por você. Eu devo estar louca... Louca e necessitando de um tempo, sem homens, sem relacionamentos de algo além de uma amizade ou uma ficada quem sabe? Sei lá... Só sei que você ainda ocupa o lugar que deveria ser de outro, mas infelizmente é todo teu.

06/04/2012

Desabafo da madrugada.

As vezes acho que eu finjo bem... Finjo que tudo esta como realmente devia estar, loto minha mente e meu tempo com tantas coisas que por alguns instantes até me fazem esquecer do que esta me deixando aflita... Acho que por isso tenho sorrido mais e chorado menos, mas toda essa muralha de mentiras e ladainhas cai quando eu recebo uma noticia uma mensagem.. um qualquer coisa... Eu desabo, eu me acabo, é como se tudo que eu fiz e venho fazendo para voltar ao normal não significasse nada...

Eu odeio isso, odeio não ser dona da minha razão, das minhas emoções, do meu pensamento, é como se tudo tudo girasse entorno de alguém que eu deveria esquecer ou pelo menos não me importar mais (não com a intensidade com que eu me importo).

E isso nem é o pior de tudo... na verdade não é nem a ponta do problema, o que me incomoda mesmo são as reações, o choro estérico que fica pela garganta porque eu cansei de chorar, o tremor das mãos, as borboletas que me causam náuseas no estomago... É como se por uma paixão que chegou ao fim (ta ok, é amor... é amor), as reações que meu corpo tinha antes de felicidade são imitadas em uma intensidade louca e contraria... e isso machuca, porque eu não odeio que me faz ter essas reações, mas eu ME ODEIO por te-las... Por sentir e não conseguir acabar com a droga do sentimento que me faz senti-las.

A mas chega de ficar aqui... desabafado esta.
E se é pra derramar lágrimas que eu faça isso no conforto da minha cama.
Amigos (alguns) iludidos com o meu boa noite apressado estão achando que ta tudo bem e isso é o que importa.

O Veneno do Amor.

Remexendo no passado (passado de 2007) e procurando algo legal no meio da minha adorada pilha de poemas achei um que por hora faz muito sentido, e como faz tempo que eu não posto nada, acho justo que ele descreva o que no momento eu estou pensando, mas ele é de uma época em que eu era muito "criança" ainda... Os sentimentos ainda eram novidade (amar ainda é novidade, mas naquela época paixão e amor era tudo a mesma coisa... Eu pensava assim), então vou postar apenas dois trechos.

"O veneno do amor"

Seu gosto ainda esta em minha boca,
Seu cheiro não sai da minha roupa,
Suas palavras lotam minha mente
Meus pensamentos ainda são seus.

(...)

Se ao teu lado eu sorria
Hoje sua simples lembrança me faz querer lágrimas derramar
Estou pedindo ao céus
Para um dia esse amor se findar.

Laís R. Dias - 08/08/2007

O amor é um veneno de gosto amargo quando esta no fim, é como tomar um remédio que enquanto está sobre nossa língua ele é doce e até amigável, mas quando desce pela garganta chegando ao fim deixa um gosto amargo inconfundível, ele te marca pela gosto ruim.

01/01/2012

Goles de começo de ano

Não eu não estou bêbada, a menos é claro que eu escreva sem erro algum, ai poderemos dizer que a bebida me deixou duas vezes melhor em gramática do que eu realmente sou.

Eu não bebi por 19 anos, claro que existiram algum goles em copos alheios, de cerveja, vinho, amarula, vodca, mentolado, batidas e outros, mas praticamente insignificantes perto de uma taça só minha.

O gosto nem de longe é tão amargo, na verdade o licor de maçã deixou o ST Remy perfeito para uma iniciante a fim de tomar um porre como eu, um porre de anos.
Como estou em casa sozinha (ou quase isso já que todos estão dormindo), posso ficar tranqüila e dispensar alguns micos.

Se estou chateada? A sim, um pouco, mas acordei alegre, virei o ano alegre, então acho que tudo é alegria não é mesmo?
Então pra que o porre vocês deves estar se perguntando... Bem este é só pra liberar (ou tentar porque até agora nada) as lágrimas que por uma semana se juntaram e não transbordaram, nem com musica triste. Simples não? Dizem (e os filmes e novelas também mostram isso) que quando estamos chateados um porre ajuda a melhorar já que o gosto amargo da bebida nos faz esquecer um pouco o gosto amargo da tristeza, chega ser poético.

Poético, lindo... E tentador, e como eu já tenho idade para beber (mais do que é necessária e a permissão *O*) lá vou eu buscar uma nova experiência, tão doce quanto
a felicidade que sinto e com resquícios de amargo de uma magoa já não tão presente.

Bem, ano novo, nova eu, novas experiências... E tudo começa agora!